Adelia Sampaio,
a diretora negra que marcou
o cinema nacional

Reconhecida como a primeira cineasta negra a dirigir um longa-metragem no Brasil, Adélia Sampaio marcou o cinema nacional e tem uma importância ímpar, principalmente por sua luta como mulher negra para realizar as suas obras e resistir à censura que existia no País em plena Ditadura Militar.

O ambiente patriarcal, branco e elitista não inibiu Adélia de fazer história. A sua estreia como diretora aconteceu em 1979, com o curta-metragem Denúncia Vazia. Porém, somente em 1984 com o filme Amor maldito, que a mesma conseguiu produzir e dirigir uma obra de própria autoria. Vários fatores influenciam nessas dificuldades, a começar pelo machismo. Somando o fator raça, as mulheres negras ficam ainda mais para trás e precisam resistir para evidenciar seus trabalhos. E apesar de seu pioneirismo, a filmografia de Sampaio nunca chegou à mídia física ou ao streaming e ficou completamente apagada da história do cinema brasileiro.

E foi somente em 2013, que a obra de Adélia Sampaio foi mencionada na tese “Cinema na Panela de Barro: Mulheres Negras e suas narrativas de amor, afeto e identidade”, defendida pela pesquisadora de cinema negro e idealizadora desta Mostra Edileuza Penha de Souza, pelo Departamento de Educação da Universidade Federal de Brasília (UnB).

Como cineasta e mulher, Adélia sempre retratou em suas obras temáticas como amor, violência e problemas sociais e desenvolveu uma narrativa de pertencimento e com diversas referências históricas. A invisibilidade de suas produções estão diretamente atreladas ao racismo e ao machismo cinematográfico, que perpetuam até hoje na vida daquelas que fazem cinema.

Graças a Adélia Sampaio, diversas mulheres que sonham em trabalhar com cinema têm a quem se espelhar. Sim, a população preta/parda ainda está bem longe de estar em posição de igualdade com os brancos, ocupando papéis de destaque. É por isso que nós temos que divulgar e consumir o máximo de artistas possíveis, para que no futuro, tenhamos muitas “Adélias” produzindo, inspirando, ocupando espaços e quebrando barreiras.

Algumas de suas produções, estão disponíveis em um canal no Youtube que leva o nome da diretora.